Como potencializar o treinamento com video based learning

Particularidades dos vídeos que deixam o e-Learning muito mais eficaz e convidativo

Talvez pela facilidade para a compreensão da informação que esse tipo de mídia proporciona à audiência ou pelo formato menos cansativo e mais envolvente da combinação de imagem, som, roteiro e outros efeitos, o consumo mundial de vídeos tem aumentado com muita velocidade.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como criar roteiros de vídeos educacionais

Saiba mais detalhes sobre o processo de roteirização de diferentes soluções em formato de vídeo

Roteiros educacionais são conteúdos didáticos e parte fundamental do processo de aprendizagem dentro de uma organização. Eles devem ser baseados em todo o conteúdo técnico (conhecimento que se deseja transmitir para o colaborador) e seguir as diretrizes do design instrucional.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Soluções em vídeo para impulsionar treinamentos

Razões pelas quais sua empresa só tem a ganhar ao investir em vídeos

Você sabe por que deve começar a utilizar vídeos para fazer os treinamentos de sua empresa? Um dos motivos é a aderência das pessoas a esse formato de mídia. Segundo pesquisa da empresa Cisco, somente no ano passado, o consumo mundial de vídeos representou 80% de todo o tráfego de consumo de internet, acima dos 64% em 2014. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Tendências: conteúdo para o LMS moderno

O conteúdo é um dos elementos determinantes para o sucesso de um treinamento 

Desde 1997, quando o termo e-Learning surgiu a partir de uma pesquisa de Elliott Masie, o aprendizado eletrônico evoluiu de forma muito rápida e multiplicadora, passando do autoe-Learning para o e-Learning presencial, aprendizado híbrido, aprendizado da web 2.0, aprendizado social (redes sociais, comunidades e mundos virtuais), móvel (e-Books, aplicativos e microblogs) até chegar ao Blended (híbrido) – combinação entre diferentes modalidades de aprendizagem e, claro, tecnologias. 

Mas como andam os conteúdos do e-Learning após 18 anos? O que está sendo feito pelo mercado no que diz respeito a conteúdo para LMS? Acompanhe duas tendências fortes que foram confirmadas em 2015 e que prevalecerão em 2016!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Animações engajam o time e ajudam a reter o conhecimento

Facilitadoras do aprendizado, as animações garantem que conteúdos relevantes, muitas vezes densos, sejam transmitidos de maneira leve, porém efetiva

A palavra animação vem do latim ANIMA e significa “alma”, “sopro vital”. De acordo com o site InfoEscola, a história da animação “perde-se nas brumas do tempo” e vem desde a época dos registros de imagens nas paredes das cavernas. Com a tecnologia, as animações tornam-se cada vez mais sofisticadas. Mas bem além da arte do movimento, o mercado já as reconhece como ferramentas extremamente importantes no processo de compreensão e retenção do conhecimento. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aposte em mobile learning como receita de produtividade

Tem como meta a alta performance, então invista em mobile learning

Melhorar a performance organizacional não é tarefa simples e depende de uma série de fatores, como mercado, clientes, qualidade em produtos e/ou serviços, colaboradores, entre outros. Mas mesmo não havendo uma receita certeira, é possível investir em algumas estratégias que favorecerão o andamento dos negócios e a caminhada em direção às tão almejadas: produtividade e alta performance.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Três dicas de como usar vídeos em seus treinamentos

Treinamentos realizados por meio de vídeos, tendência entre as organizações 

Com smartphones e tablets cada vez mais acessíveis, telas de altas resoluções, mais velocidade e conectividade, o consumo de vídeo continua a crescer. Essa tendência também já é percebida no e-Learning por motivos óbvios: os vídeos possibilitam maior interação, ajudam no processo de retenção do conhecimento, reduzem o tempo de aprendizado e demonstram processos complicados de maneira direta.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

As melhores estratégias para detalhar processos complicados em treinamentos online

Fluxogramas, ilustrações, vídeos: confira como explicar processos e conceitos complexos no e-Learning

Procedimentos são ações orientadas por um passo a passo, por instruções. No ambiente profissional, frequentemente, realizamos procedimentos para aprimorar o trabalho, mitigar problemas e criar novos projetos e soluções.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Vídeos interativos

Além de conteúdo específico, voltado às necessidades de seus colaboradores, a qualidade e os recursos do player de vídeo influenciam o desenvolvimento de um bom material

O uso de vídeo em e-Learning passou a ter um papel importante na forma do colaborador aprender e reter informações. Estudos demonstram que a aprendizagem com o auxílio do vídeo aumenta a taxa de retenção. Mas o que torna um vídeo interessante em e-Learning? Esse é um dos grandes desafios de desenvolvedores e empresas. Afinal, não é porque está em formato vídeo e online que um curso se tornará automaticamente dinâmico, interativo e engajador.
 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Questão de tempo

Como é calculada a duração de um curso em formato e-Learning

Alguns gestores não se atentam a esse detalhe, mas além da preocupação com o conteúdo e com o processo de aprendizado, o tempo é um elemento importantíssimo para a elaboração de um curso em formato e-Learning. Isso porque com a estimativa do período usado para capacitação, temos uma ideia do tempo que o colaborador deixará de investir em suas atividades de trabalho. Para que não haja prejuízos, pressão ou, até o contrário, momentos ociosos que desestimulem o colaborador, esse tempo de “parada” deve ser bem avaliado.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter