Os mitos do e-Learning

O que ainda habita o “imaginário popular empresarial”

Os mitos existem em qualquer região, qualquer segmento e no e-Learning não poderia ser diferente. Conforme aponta Marc J. Rosenberg em seu livro Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional, a fama dessa modalidade de treinamento foi em parte alimentada por mitos, o que ainda leva algumas organizações a tomar decisões baseadas na ideia de que será fácil a aplicação do e-Learning ou sua aceitação por parte dos colaboradores. Ingenuidade, segundo o especialista, que pode ser combatida da mesma forma como qualquer tipo de crença ou mito, com informação.

Neste post, esclareceremos quatro desses mitos. Confira!

1 – Todas as pessoas entendem o que é o e-Learning. 
Mito! Ainda é grande a confusão entre treinamento (os meios) e aprendizado (os fins). 
O termo e-Learning é uma modalidade de ensino a distância que conta com dois modelos: o método assíncrono (totalmente independente de atuações externas, isto é, quando gestor de treinamento e o colaborador participante não estão em aula ao mesmo tempo; há projetos que nem contam com tutores, o colaborador inscreve-se, participa e termina o treinamento quando deseja ou de acordo com o prazo estipulado) e síncrono (conduzido por um líder virtual, por meio de chat, vídeo conferência, web conferência, entre outros meios).

2 – O e-Learning é fácil. 
Mito! Antes fosse. Conforme detalha Rosenberg, “criar e implantar um e-Learning de ótima qualidade, efetivo e eficiente demanda esforço, disciplina e experiência nos campos de desenho instrucional, desenho de informações, comunicações, psicologia, gerenciamento de projetos e psicometria”. 
O profissional ainda diz que, apesar das ferramentas de edição de texto estarem cada vez mais simples, não é todo mundo que consegue ser criativo e escrever com excelente estrutura textual. A ideia de que a tecnologia é a parte mais delicada do processo e que demanda a maior parte do trabalho, bem como mais investimentos está parcialmente correta. “Adquirir a tecnologia adequada não é nada comparado a obter o aprendizado correto”, expõe Rosenberg.

3 – A tecnologia do e-Learning equivale a sua estratégia. 
Mito! Antes de investir em tecnologia, é preciso estabelecer uma estratégia. 
De forma geral, as empresas têm investido muito dinheiro em tecnologia sem saber o que farão com ela ou qual é seu real valor. “A tecnologia é muito importante, porém é preciso escolher o sistema de gestão de aprendizado mais adequado”, destaca Rosenberg.

4 – O sucesso é implementar o e-Learning. 
Mito! Melhor que fazer com que a tecnologia funcione (o que para muitos já é implementar o e-Learning), é conseguir reforçar o desempenho dos colaboradores e do negócio. 
Rosenberg aponta que “sob o ponto de vista de valor, o mais importante é o que pode ser feito com o e-Learning” em prol da alta performance organizacional, o que demanda medições prudentes e uma visão de longo prazo.

Para garantir uma estratégia de aprendizado sob medida para a sua organização, além de efetividade na aplicação do e-Learning e do melhor conteúdo para informar e engajar seus colaboradores, conheça as soluções da MicroPower. Entre em contato com nossos especialistas!

Referência: Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional, de Marc J. Rosenberg.
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Pingbacks and trackbacks (1)+

Loading