Treinamentos para a geração Y

Informações que o profissional de treinamento deve ter em mente ao elaborar cursos para jovens talentos

Os jovens talentos ou profissionais da geração Y (nascidos após 1980) estão mais do que acostumados com as novas tecnologias. Eles praticamente nasceram nesse ambiente high tech. A primeira palavra que disseram provavelmente nem foi papai ou mamãe, mas sim Wi-Fi

Brincadeiras à parte, essa geração acostumada a mexer com gadgets (dispositivos eletrônicos portáteis), blogs, vídeos, redes sociais e games, chega ao mercado de trabalho sem receio dos desafios; considerando suas atividades como verdadeiras fontes de satisfação e aprendizado. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Transforme o aprendizado em algo divertido

Aposte em jogos para transmitir conhecimento e promover mudanças de comportamento

Independente de idade, formação, atividade, qualquer pessoa gosta de brincar ou jogar. Seja em um simples jogo de tabuleiro, seja no game mais high tech, a emoção do desafio, os novos caminhos em busca de soluções e as metas nos fazem experimentar uma nova maneira de aprender – explorando o sistema a fim de vencê-lo. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

15º Congresso Learning & Performance Brasil

Os melhores momentos do maior evento de Learning & Performance da América Latina

Com o tema A Alta Performance nas organizações: o que realmente faz a diferença?, o 15º Congresso Learning & Performance Brasil foi realizado no último dia 10, no espaço de convenções do Renaissance São Paulo Hotel, e contou com a presença de cerca de 300 profissionais entre presidentes, vice-presidentes e outros representantes de organizações privadas e públicas, nacionais e internacionais. O evento promoveu as melhores práticas e soluções tecnológicas do mercado relacionadas à gestão de alta performance e do capital humano e ao desenvolvimento de talentos, acessibilidade e aprendizado.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Até quando sua empresa vai ficar sem games?

Empresas de diversos segmentos investem em alguma iniciativa baseada em jogos em busca de alta performance

Com a evolução do mercado e a velocidade do aprendizado, as organizações buscam novos caminhos para capacitar e desenvolver seus colaboradores. Um dos temas mais debatidos em seminários e congressos da área de Treinamento e Desenvolvimento (T&D) é justamente como tornar os treinamentos mais engajadores e interessantes para os participantes e, ao mesmo tempo, mais efetivos para os negócios, de maneira que melhorem resultados, reduzam custos, aumentem a performance, entre outros benefícios. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Cinco benefícios dos games para o aprendizado

A Gamificação promove mudanças de comportamento e atende a diversas necessidades de aprendizado

Os games trabalham de forma criativa e descontraída os conceitos e as situações do dia a dia dos colaboradores. É uma forma diferenciada de entrar em contato com tarefas burocráticas ou totalmente novas e desafiadoras, desenvolvendo competências e podendo testar o que funciona ou não em um ambiente seguro.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Sua empresa vai entrar no jogo?

O uso da Gamificação para treinamento de colaboradores

Há algum tempo, os games deixaram de ser passatempo ou “vício” de adolescente e tornaram-se verdadeiros aliados para as empresas. O uso de ideias e mecânicas dos jogos em um contexto não diretamente relacionado com jogos – a Gamificação (Gamification, em inglês) – engaja e proporciona interação entre colaboradores e empresa, transformando, de maneira divertida e descontraída, conceitos e experiências em simulações. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter
MicroPower | Planejamento de carreira: a responsabilidade está em suas mãos

Planejamento de carreira: a responsabilidade está em suas mãos

Se você não tem um plano, pode estar à deriva no mercado ou, ainda, dependente do plano de alguém

Você já parou para pensar em qual cargo ocupará em cinco ou dez anos ou então quando e como deseja se aposentar? Sabe qual será seu próximo passo profissional? Se essas ideias ainda não são preocupações, muita atenção. Quando você não tem um plano, pode estar à deriva no mercado e, ainda, dependente do plano de alguém, o que no geral é muito arriscado.

O planejamento de carreira deve fazer parte da vida de qualquer profissional desde o início de suas atividades. O primeiro passo para tomar as rédeas da própria carreira (e da vida) – já que isso não pode ser feito por qualquer outra pessoa além de você – é estabelecer um objetivo maior que integre remuneração, função, qualidade de vida e bem-estar. É preciso pensar em curto, médio e longo prazos.

A partir da meta estabelecida, o profissional deve avaliar todos os seus pontos fortes e fracos, o que lhe falta e também tudo aquilo que ele já conquistou e que facilitará o processo de conquista dos novos desafios. Além disso, são necessárias análises do mercado (oportunidades e riscos), da empresa, de suas funções, pares, equipes, concorrentes, enfim, fazer um diagnóstico realista do cenário e da melhor forma de usar o conhecimento adquirido até o momento para a estruturação da carreira. 

O estabelecimento de metas é uma parte realmente importante do planejamento. A ação ajuda a tirar as ideias do plano dos sonhos. O fato de quantificar, isto é, estipular números auxilia o profissional a trazer o sonho para a realidade de forma prática, de maneira que possa trabalhá-lo. Por isso, procure registrar qual será sua pretensão salarial; seu cargo exato, em quanto tempo (meses/anos) será possível alcançá-lo. 

Procure adicionar às expectativas de números e cargos, novos aprendizados e experiências que também farão parte de seu planejamento de carreira. Isso porque se você chegar a esses objetivos em um curto prazo, pode ter aquela sensação de “estou fadado ao marasmo agora que meus desafios acabaram”. Diferentes tarefas, aprofundamento em outros temas (técnicos ou comportamentais), a conquista de mais clientes ou equipes. Novas perspectivas o ajudarão a não perder a motivação.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter
Loading